"Eu sou ladrão e vacilão": Jovem que teve testa tatuada é preso por furto em Cotia

O jovem Ruan Rocha da Silva, 22, que ficou conhecido até fora do Brasil por ter tido a frase "eu sou ladrão e vacilão" tatuada na testa, foi preso na manhã deste domingo (27) em Cotia. Segundo a Guarda Civil Municipal (GCM), ele pulou para dentro de um condomínio na região do bairro Rio das Pedras e invadiu o apartamento de um casal.

Na delegacia, o casal relatou que estava dormindo quando ouviu os latidos de sua cachorra. Ao se levantar, eles se depararam com Ruan na sala. O dono do apartamento conseguiu contê-lo até a chegada da guarda.

Ainda de acordo com o depoimento, Ruan já havia mexido em alguns objetos da residência. À polícia, o jovem disse, inicialmente, que estava em busca de alimento. Mas depois teria assumido que entrou no apartamento para furtar objetos para comprar drogas.

Ruan também relatou que está morando nas ruas e que tinha fumado crack, antes de entrar no apartamento. Afirmou, ainda, que não foi agredido em nenhum momento.

De acordo com a Polícia Civil, Ruan estava com um mandado de prisão em aberto pelo crime de roubo. Após os trâmites legais, ele foi recolhido até a Cadeia Pública de Cotia, onde aguardará julgamento.

"Eu sou ladrão e vacilão"

Ruan teve “sou ladrão e vacilão” tatuado na testa como punição por supostamente tentar roubar uma bicicleta, em junho de 2017. Ele foi flagrado por Maycon Wesley e seu vizinho, Ronildo Moreira. Os agressores riam e coagiam Ruan a dizer que queria tatuar “sou ladrão”, enquanto filmavam o momento da tortura. A frase foi exibida ainda sangrando nas imagens que circularam pela internet.

Dependente químico, Ruan chegou a ser internado em uma clínica de reabilitação. Por meio da ajuda de uma vaquinha online, o jovem iniciou o procedimento de retirada da tatuagem durante sua permanência na clínica. Após 1 ano de sobriedade, Ruan afirmou se arrepender de ter pegado a bicicleta para dar uma volta.

Em março de 2018, Ruan teve"uma folga dada pela clínica" e foi preso por furtar cinco frascos de desodorantes num supermercado em Mairiporã (SP). Por ser réu primário e com auxílio do departamento jurídico da clínica, Ruan foi liberado sob fiança, retornando à reabilitação.

Em 2019, o jovem voltou a ser preso também por furto. Na ocasião, o adolescente entrou em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade de São Bernardo do Campo e roubou R$ 20, um moletom e um celular, mas foi flagrado por uma enfermeira e imobilizado por um vigilante. Por ter entrado em luta corporal com a enfermeira, o caso foi julgado como roubo e ele foi condenado a 4 anos e 8 meses de prisão em regime semiaberto.