Motorista de app agride jovem negro após confundir garrafa com arma em viagem no Rio

Um passageiro negro de 18 anos foi vítima de injúria racial e agressão por um motorista de aplicativo durante uma viagem, no Rio de Janeiro, na noite de quinta-feira, 17. O agressor, identificado como Matheus Fortes Esteves, alegou que confundiu uma garrafa de uísque, que estava na bolsa da vítima, com uma arma. A agressão foi agravada e é investigada pela Polícia Civil.

De acordo com reportagem do RJ1, da TV Globo, Carlos Eduardo Lemos é jogador de futebol e, naquela noite, iria encontrar com a mãe em Bonsucesso.O jovem estava no bairro do Andaraí e solicitou uma corrida usando o aplicativo Uber. Ao entrar no veículo, motorista e passageiro passaram a conversar sobre futebol até que Matheus começou a ser agressivo com Carlos.

Na altura da Vila Isabel, zona sul do Rio, o motorista deu uma cotovelada no passageiro e teria dito: “te peguei neguinho, agora você não vai mais roubar aqui". Devido à confusão, segundo a reportagem, o motorista perdeu o controle e bateu o carro em um poste. Em seguida, ele puxou Carlos para fora do veículo e continuou as agressões.

No vídeo que circula nas redes sociais, a vítima diz "não sou bandido, não, senhor. Eu sou atleta. Eu jogo futebol, cara", enquanto o agressor o segura no chão. Nesse momento, o motorista pede para que alguém chame a polícia. Na sequência, o jovem explica a algumas pessoas que estão próximas: "Ele está me batendo. Ele quase me matou, senhor".



Testemunhas que estavam no local abriram a bolsa de Carlos e encontraram a garrafa, vendo que ele estava dizendo a verdade. Matheus tentou fugir, mas foi contido. A Polícia Militar foi acionada, e ambos foram levados para o 20º DP do Rio.

Em nota ao Terra, a Polícia Civil informou que o caso foi registrado como lesão corporal e injúria racial. Os envolvidos e uma testemunha foram ouvidos, e a vítima foi encaminhada para fazer exame de corpo de delito. Após o laudo desse exame, o caso será enviado à Justiça.

A Uber informou que a conta do motorista parceiro foi temporariamente desativada, enquanto aguardam pelas apurações. A companhia salienta que não tolera qualquer forma de discriminação e, em casos dessa natureza, a empresa encoraja a denúncia tanto pelo próprio aplicativo quanto às autoridades competentes e se coloca à disposição para colaborar com as investigações, na forma da lei.