Padrasto que estuprava menina e tinha ‘produtora' de filmes pornôs é condenado a 98 anos

O padrasto de uma adolescente estuprada pelo período de sete anos, em uma cidade de Mato Grosso do Sul, foi condenado a uma pena de 98 anos de prisão pelos crimes de estupro, armazenamento e produção de material pornográfico.

A condenação foi publicada em Diário da Justiça nesta quarta-feira (23). A pena para o homem foi multiplicada por sete, o que chega a 98 anos de reclusão. O crime de estupro foi descoberto em janeiro deste ano, e o armazenamento de material pornográfico em maio.

Em maio, os policiais foram até a casa do autor para cumprir o mandado de prisão que havia contra ele. Na casa, foram feitas buscas e os policiais encontraram várias maletas com DVDs, com conteúdo pornográfico e também com animais.

Pen drives foram apreendidos onde estavam fotos da enteada nua. Fotos que teriam sido produzidas na cama do autor e registradas por uma terceira pessoa.

O homem disse que o relacionamento foi consensual entre ele e a enteada. Mas, em janeiro do mesmo ano, a mãe da menina fez a denúncia após ela relatar que era abusada desde os 9 anos.

O homem mantinha em sua residência uma espécie de ‘produtora’ de filmes pornográficos. Na época, foram apreendidos cadernos com anotações, notebook, celulares.