Pedreiro de 19 anos some em abordagem policial; amigo diz que viu tiro

A família do pedreiro Lucas Elifaz, de 19 anos, procura pelo jovem que saiu de casa para uma festa no último domingo (13) e não voltou mais. Segundo a mãe do rapaz, Sandra Maria, o jovem seguia para um evento no bairro do Recife Antigo, na área central da cidade, junto com um amigo. Segundo o colega, de 18 anos, que acompanhava Lucas no passeio, antes de chegarem ao local, os dois foram abordados por policiais militares.

Os dois saíram do bairro do Cordeiro, na zona oeste, por volta das 11h30 do domingo (13) e pararam na Praça do Derby, já na área central da cidade, para pegar o segundo ônibus, que seguiria para o Recife Antigo. Antes de entrarem na segunda condução, os dois foram abordados pelos policiais.

O amigo relatou em depoimento ao qual o UOL teve acesso que os policiais os acusaram do roubo de uma bicicleta. Os dois negaram a acusação e, segundo o rapaz, foram agredidos pelos policiais.

Segundo seu depoimento, o amigo só conseguiu escapar da abordagem porque correu e pulou no rio Capibaribe, que corta a cidade. "Ele [o policial] começou a agredir Lucas. Foi aí que eu consegui correr. Quando o Lucas começou a correr, eu olhei pra trás, a polícia deu um tiro. Aí pega em Lucas e ele cai. Eu pulei na maré", depôs ele.

Após o disparo, ele afirmou que nadou e se escondeu na margem do rio.

A Polícia Civil de Pernambuco abriu procedimento para apurar o caso. Em nota, a PCPE informou que registrou no dia 14 de novembro, pela Central de Plantões da Capital, a ocorrência de uma pessoa desaparecida, no município de Recife.

"Segundo relatos iniciais, um jovem desapareceu após uma abordagem policial no bairro do Derby. As investigações foram iniciadas e outras informações poderão ser repassadas em momento oportuno", diz o documento, sem detalhar quem são os agentes envolvidos e o que será feito com eles no andamento da investigação.

Família faz buscas

A família já procurou pelo jovem em hospitais, delegacias e IML (Instituto Medicina Legal) da região, mas, até o momento, ele não foi encontrado. A mãe de Lucas, a auxiliar de serviços gerais Sandra Maria, segue em uma procura angustiante.

"Hoje faz 4 dias sem notícias do meu filho, sem saber do meu filho. É uma dor muito grande, eu quero que a polícia devolva o meu filho. Eu só quero que o meu filho apareça", desabafou ela, ao UOL. A mãe faz um apelo para que, quem tiver notícias de Lucas, entre em contato pelo número (81) 98419-0774.

A advogada Adriana Andrade acompanha o caso e trabalha nas buscas de Lucas junto à família do jovem. Ela denuncia uma inconsistência no registro da ocorrência.

"Fomos às delegacias, UPAs, hospitais e não encontramos Lucas. Depois, voltamos na Central de Flagrantes e fizemos um boletim de ocorrência. Conseguimos um documento do Ciodes (Centro Integrado Operacional de Defesa Social), que informa que houve a ocorrência, mas o boletim só fala de uma única pessoa, não fala sobre disparo de armas de fogo. Só fala do jovem que pulou no rio", diz ela.

Segundo a advogada da família, o próximo passo é acionar a Corregedoria.