Tiro que matou sargento dos bombeiros dentro de casa partiu de arma de PM

O tiro que matou o bombeiro Valter Leite Cruz, na tarde desta quinta-feira (10/11), partiu da arma de um policial militar. O crime ocorreu dentro da casa da vítima, na QNO 6, no Setor O, em Ceilândia.

Ao Metrópoles o delegado Antônio Dimitrov, chefe da 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia Centro), confirmou a autoria do tiro fatal. “O fato deveria ter sido apresentado com o policial autor do disparo na central de flagrantes. Como o policial não foi apresentado, o fato será investigado pela 24ª DP”, informou.

O homicídio ocorreu após uma perseguição policial, que começou devido à agressão de um homem à esposa. O suspeito teria sido preso pela manhã, por crime configurado na Lei Maria da Penha, e à tarde teria retornado ao local na intenção de matar a vítima.

Com a chegada da PM, o agressor teria pulado um muro e iniciado a fuga, pelos telhados das casas do conjunto G da QNO 06. Após alguns minutos, o suspeito teria entrado na casa do bombeiro. A Polícia Militar chegou logo depois e um dos militares, ao tentar acertar o criminoso com um disparo, acertou em Valter.

O suspeito de violência doméstica foi preso e encaminhado à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam II). O bombeiro foi socorrido em estado grave e levado, inconsciente, para o Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Após dar entrada na unidade de saúde, o militar não resistiu aos ferimentos e morreu.

O segundo sargento do Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), morto com um tiro no pescoço, deixa a esposa e quatro filhos.