Cientista que trabalhou em Wuhan diz que vírus da covid foi feito pelo homem

Andrew Hulf, cientista que trabalhou no laboratório de pesquisa de Wuhan, na China, afirmou que o vírus da covid-19 foi produzido por um homem, segundo reportagem do The New York Post.

O cientista trabalhava em uma organização sem fins lucrativos, com sede em Nova York, que era responsável por monitorar o vírus. Ele afirmou que a covid-19 se espalhou após vazar do instituto de Virologia de Wuhan.

O pesquisador ainda destacou que o coronavírus foi a “maior falha de inteligência dos EUA desde o 11 de setembro”. Desde o início da covid-19, o laboratório de Wuhan está no centro dos debates e polêmicas a respeito do início da pandemia.

O Governo Chinês e funcionários do instituto negam que o vírus tenha sido produzido e se espalhado das instalações do laboratório. Andrew Hulf disse que os experimentos de ganho de função da China foram realizados com segurança frouxa, o que levou a um vazamento no laboratório de Wuhan.

“Os laboratórios estrangeiros não tinham as medidas de controle adequadas para garantir a biossegurança e o gerenciamento de riscos adequados, resultando no vazamento do laboratório no Instituto de Virologia de Wuhan”, disse ele em seu livro, extraído exclusivamente do jornal .

Nos últimos dois anos, evidências crescentes sugeriram que o vírus vazou do laboratório. Alguns especialistas acreditam que o vírus pode ter escapado por meio de um cientista infectado ou pelo descarte inadequado de resíduos da instalação. Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da Organização Mundial da Saúde, disse a um político europeu que temia que o vírus tivesse escapado do laboratório em “um acidente catastrófico” em 2019, de acordo com uma reportagem do Daily Mail no início deste ano.

Huff é ex-vice-presidente da EcoHealth Alliance, uma organização sem fins lucrativos com sede em Nova York que estuda doenças infecciosas. O grupo estuda diferentes coronavírus em morcegos há mais de uma década com financiamento dos Institutos Nacionais de Saúde e estabeleceu laços estreitos com o laboratório de Wuhan.

Huff, que trabalhou na EcoHealth Alliance de 2014 a 2016, disse que a organização sem fins lucrativos ajudou o laboratório de Wuhan a reunir os “melhores métodos existentes para projetar coronavírus de morcego para atacar outras espécies” por muitos anos.