Pai é acusado de estuprar e engravidar a própria filha

José Lucinei Pereira, suspeito de estuprar e engravidar a própria filha, de apenas 13 anos, presta depoimento neste momento na delegacia do Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio. Ele foi identificado na última quinta-feira (24), como sendo o autor do estupro da própria filha, na Zona Oeste. Abusada há cerca de seis anos, a menina só conseguiu contar sobre os abusos para a família, na semana passada.

De acordo com a mãe da vítima, que preferiu não se identificar, as suspeitas começaram na quinta-feira passada, quando a menina foi tomar banho de piscina e ela percebeu alterações no corpo da adolescente, que indicavam que ela estaria grávida. Depois de fazer um teste de farmácia, que positivou para gravidez, a filha revelou que sofria abusos do pai.

“Eu nunca desconfiei, ela é gordinha, baixinha. Aí só quando fui para a piscina com ela que percebi o peito dela com manchas roxas, a barriga dela maior, mas nunca imaginava isso. Aí fiz o teste nela e deu positivo. Aí chamei ela e minha filha falou ‘foi meu pai mãe”. A partir dali comecei a passar mal, foi uma dor muito grande. Eu confiava muito nele, nunca imaginei que ele ia fazer isso com a minha filha”, revelou a mãe da vítima.

A mãe também afirma que percebeu uma mudança no comportamento da filha, que passou a ser mais reservada. Ela também disse que o pai sempre foi ciumento na relação a dois, mas depois passou a ter um ciúme excessivo da criança.

“Eu vi ela muito triste. Chegava da escola muito triste, não olhava para a gente, para a nossa cara, mas não tinha como perceber. Só percebi na piscina mesmo. Eu nunca imaginei que seria do pai. Ela tinha muito medo de contar a verdade para a gente. Ele começou a ser mais ciumento com ela, eu achava que era amor de pai, eu pensava que um pai nunca ia fazer mal a um filho, mas o ciúme foi só aumentando”, falou a mãe.

Ela também contou que eles foram casados durante 20 anos, mas que estavam separados há cerca de oito meses. Mesmo não morando mais na mesma casa, José Lucinei fez uma cópia das chaves escondido e aproveitava os momentos em que a menina estava sozinha em casa para praticar os abusos, que segundo a vítima, ocorriam desde que a criança tinha sete anos.

Ela ficava sozinha em casa porque eu saía para trabalhar e ela ficava sozinha em casa. Ele tinha a cópia das chaves e ele aproveitava para praticar os atos com ela”, contou a mãe.

Ainda segundo a família, a menina não teve coragem para relatar os abusos antes porque sofria ameaças de José Lucinei, que dizia que mataria a família caso a criança contasse.

“Em suas declarações, ele negou os fatos, mas as investigações demonstram de forma contundente que ele praticou esses fatos e será indiciado e levado à Justiça para responder a esses atos que ele vinha praticando”, disse Neilson Dos Santos Nogueira, delegado da 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes).

*Sob supervisão de Natashi Franco