Casal namorava há menos de um mês e foi abordado no trânsito pelo assassino horas antes do crime

O delegado Marciel Gomes, da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), afirmou em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (19) que a advogada e servidora Thays Machado, de 44 anos e William César Moreno, de 30 anos, estavam namorado há cerca de um mês. Ele morava em São Paulo, onde se conheceram e veio na madrugada de ontem (18) para Cuiabá ver a namorada. Ela inclusive foi até o aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, para recepcioná-lo.

Quando se dirigiam para Cuiabá, foram abordados no trânsito pelo empresário Carlos Alberto Gomes Bezerra, de 57 anos, ex namorado dela, que os teria ameaçado. Ele estava portando uma arma de fogo, provavelmente, a pistola calibre 380 usada no crime. Diante da ameaça, Thays e William compareceram à delegacia e registraram boletim de ocorrência contra o homem por conta da ameaça. “Com relação ao atual [namorado] que ela estava, era cerca de três a quatro semanas. Era algo bem recente, conforme informado por familiares”, disse.

Já com Carlinhos Bezerra, ela manteve relacionamento por cerca de dois anos, tendo inclusive morado junto, porém, sempre marcado por brigas, violência domestica e idas e vindas, conforme informações repassadas à polícia por familiares.

Há cerca de 45 dias, ela decidiu por um fim na relação, o que não foi aceito pelo empresário. Ele inclusive, ficou vários dias a perseguindo em busca de reconciliação. “Eles já tinham terminado a relação em outras oportunidades. Essa última vez foi há cerca de 45 dias, ou seja, 15 dias antes dela conhecer o Willian”, explicou o delegado.

Thays e Willian foram mortos ontem por volta das 16h40 na calçada do edifício Solar Monet, no bairro Consil – próximo à avenida Historiador Rubens de Mendonça (avenida do CPA), onde mora a mãe de Thays. Cada um recebeu 3 tiros e morreu ainda no local. O acusado, que é filho do deputado federal Carlos Bezerra (MDB), foi preso horas depois do crime, em Campo Verde (131 km ao Sul) e confessou o crime em depoimento à Polícia Civil.