Demissão em massa na Americanas: 44 mil funcionários serão demitidos?

A crise enfrentada por uma das maiores marcas do varejo brasileiro acende o alerta sobre o risco de demissão em massa de mais de 44 mil funcionários. A Americanas tem hoje uma dívida que passa de R$ 40 bilhões e muita pendência para resolver.

A situação da empresa deixa muitas famílias aflitas. Do total de colaboradores, 85% são permanentes e 15% temporários. O anúncio da dívida bilionária fez crescer os rumores sobre o fechamento da Americanas no Brasil.

Dívida da Americanas ameaça demissão em massa

Diante do cenário de muitas incertezas, segundo Ricardo Patah, presidente do Sindicato dos Comerciários na cidade de São Paulo, foi aberto um protocolo com pedido de reunião junto aos representantes da Americanas. A intenção é saber quais serão os próximos passos diante da dívida bilionária e entender os riscos aos colaboradores.

De acordo com o presidente do Sindicato, a empresa tem uma relação amigável com os representantes da categoria. Não existe reclamação, por exemplo, sobre falta de pagamento e nem de descumprimento das convenções coletivas.

Segundo o presidente do sindicato, o pedido de reunião é para colocar fim aos boatos e saber o posicionamento da empresa. “Estamos assustados que as Americanas, que sempre cumpriram com seus deveres, tenham um buraco desse tamanho”, disse Patah em entrevista ao UOL.

Funcionários ficarão sem pagamentos?

Caso a empresa tenha que encerrar as atividades, a lei protege os funcionários, que são os primeiros a receber os valores em aberto, antes de fornecedores e todos os outros da lista.

Apesar da afirmação de boa relação com o sindicato, o site Metrópole publicou que existem cerca de 7 mil processos que tramitam na Justiça contra a empresa. As dívidas com ex-colaboradores passa de R$ 3 bilhões.

O portal UOL procurou a Americanas por meio da assessoria de imprensa da empresa, mas não teve retorno sobre os questionamentos em relação ao número de funcionários e o risco de uma possível demissão em massa.

Com informações: UOL