Homem tem prisão decretada após matar esposa e forjar suicídio dela

A Justiça de Goiás decretou a prisão preventiva de Pedro Henrique Borges, de 26 anos. O homem é suspeito de matar a esposa, Sarah Nunes Pereira, de 23. Conforme a denúncia do Ministério Público de Goiás (MPGO), o rapaz teria forjado a cena do crime para parecer que a mulher cometeu suicídio.

A decisão judicial foi emitida nessa segunda-feira (23/1). A jovem teria sido morta por asfixia, após uma discussão entre o casal motivada por uma traição do suspeito. O caso aconteceu em setembro de 2022, em Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital goiana.
A defesa de Pedro Henrique Borges, feita pela advogado Rodrigo Faustino, afirma que ele é inocente de todas as acusações e que o rapaz sempre colaborou com a investigação policial.

Ele chegou a ser preso temporariamente. No entanto, o período venceu no recesso forense. Após a conclusão do inquérito policial, o homem foi denunciado pelo MPGO por homicídio qualificado, com quatro qualificadoras.

Aproximação proibida

Em dezembro, a Justiça goiana proibiu, por meio de uma liminar, que o acusado se aproximasse da filha do casal, de três anos. A decisão foi emitida depois que Pedro Henrique foi solto da prisão.

De acordo com a Defensoria Pública, que representa a família de Sarah, a guarda provisória da criança foi concedida a um tio da vítima até o final do processo. O homem não pode ter nenhum tipo de acesso a criança e, segundo a defesa dele, deve manter uma distância mínima de 200 metros da filha.

Pedro Henrique teve a prisão temporária expirada no dia 22 de dezembro e, após ser solto, ele foi até a casa da família da filha, na véspera de Natal, na intenção de ter a filha de volta. Segundo o advogado, o acusado tem a guarda legal da criança e vai buscar os meios legais para defender o direito de pai.

Caso controverso

Sarah foi encontrada morta no dia 23 de setembro. De acordo com a polícia, na ocasião, o homem acionou o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar e informou que havia chegado em casa, após sair para comprar um refrigerante, e encontrado sua mulher morta e pendurada pelo pescoço no alpendre da residência.

Porém, segundo a corporação, também foram encontradas inconsistências entre a versão apresentada por Pedro Henrique e os indícios apurados. O caso é investigado.